ACESSO AOS CONTEÚDOS PRIVADOS

1Terá que ser nosso associado
2Faça login
3Pode aceder a  qualquer conteúdo

Se ainda tem problemas contacte os nossos serviços para geral [ @ ] atam.pt . Obrigado pela sua visita!

CRIAR CONTA

*

*

*

*

*

*

PERDEU A SUA PALAVRA-PASSE

*

SNS vai ter mais 40 serviços com incentivos para reduzir listas de espera e melhorar eficiência

PÚBLICO

 

10-02-2020

 

SNS vai ter mais 40 serviços com incentivos para reduzir listas de espera e melhorar eficiência

 

Os Centros de Responsabilidade Integrada têm como objectivo melhorar as listas de espera, a eficiência e rentabilizar a capacidade instalada no SNS. Até ao final do ano já tinham sido criados 17. Para este ano e seguintes esperam-se mais 40.

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) vai passar a ter 57 Centros de Responsabilidade Integrada (CRI). São serviços e equipas que funcionam dentro dos hospitais e que se dedicam ao tratamento de doenças ou áreas específicas, com maior liberdade de actuação e possibilidade de pagamento de incentivos de acordo com os resultados e com a actividade que façam para lá do horário normal. Em 2019 já existiam 17 e este ano e seguintes aguarda-se pela criação de mais 40. O objectivo é melhorar as listas de espera, a eficiência e rentabilizar a capacidade instalada no SNS.

 

100 milhões para 2020

Como é que este modelo funciona? As equipas dos CRI fazem um contrato com o conselho de administração do hospital. Definem o horário de trabalho, as consultas e cirurgias, assim como a restante actividade a fazer dentro horário normal de trabalho e o acréscimo de actividade que se propõem fazer além desse horário. Têm ainda de definir a organização interna, de modo a responder aos períodos de férias ou de ausência dos colegas. Os contratos dos CRI têm um plano de acção que é revisto de três em três anos e são estabelecidos contratos anuais com a administração para o cumprir. O pagamento será feito de acordo com o desempenho, resultados e cumprimento do que está acordado. O que for feito fora do horário normal tem um pagamento adicional. Esses pagamentos são feitos pelo hospital ao serviço. Por sua vez, o hospital recebe através do contrato-programa que negoceia anual com o Ministério da Saúde.

 

TOPO